Roteiro de 9 dias pela Albânia

Meu destino nesse verão europeu de 2021 foi para esse lugar paradisíaco, onde o turismo está apenas começando e é um dos países mais baratos que eu já visitei, portanto, vou tentar fazer esse post o mais detalhado possível para vocês.

Para quem quiser ver mais vídeos e fotos dessa viagem, me siga no Instagram: @bru_lewis e veja os destaques sobre Albânia.

Bora Bora Beach, Ksamil

COMO CHEGAR NA ALBANIA?

Para começar, existem duas maneiras de fazer isso.

A primeira, a maneira mais econômica de visitar a Albânia, é indo pelo aeroporto de Tirana, a capital da Albânia.

Também é a maneira mais cansativa se você deseja visitar as praias, pois saindo de Tirana precisa alugar um carro ou pegar um ônibus de viagem e seguir em direção ao litoral, por uns 300 km, depende da cidade escolhida.

Eu decidi alugar um carro, e vou falar sobre isso mais a diante.

A segunda opção é ir pelo aeroporto de Corfu, na Grécia. E depois pegar uma balsa que atravessa para Albânia, na cidade de Saranda mais precisamente. E claro, essa é a forma mais cara pois inclui a chegada pela Grécia, onde tudo é caro. Se você optar por essa opção, ao chegar em Saranda, ainda precisará pegar um ônibus para ir para Ksamil (o lugar mais bonito da Albânia, na minha opinião). Saranda deve estar há 20 minutos de Ksamil, indo de carro, não é muito longe.

Em ksamil não é necessário o uso de carro. A cidade é bem pequena, tudo se faz a pé ou de barco. As praias são maravilhosas, a minha preferida foi a Bora Bora Beach.

Por ser a cidade mais bonita, infelizmente também é a cidade mais cheia e cara da Albânia. Mas mesmo sendo mais caro, ainda não supera outros destinos paradisíacos como a Grécia, por exemplo.

QUANDO VISITAR A ALBANIA

Ksamil

Fomos para Ksamil em agosto, o auge do verão europeu, então isso também ajudou muito para cruzar milhares de outros turistas. E isso também causou um aumento de preços.

Conversamos muito com o povo local, e a maioria disse que em setembro ainda está quente e é muito mais vazio. E a partir de outubro, a cidade é esquecida e até o povo local abandona Ksamil e prefere ir passar o inverno em Tirana, a capital. As coisas voltam a funcionar em meados de maio, quando o clima começa a esquentar novamente.

Eu desejo muito ir novamente, mas vou preferir ir fora de temporada, talvez em junho ou setembro.

Não me arrependo de ter ido em agosto pois o clima estava perfeito, fazia cerca de 34 graus todos os dias (a noite não abaixava menos que 29 graus). Os apartamentos que alugamos tinham ar condicionado, isso foi primordial para ter um equilíbrio do tanto de calor que faz.

Ao mesmo tempo, houve blackout na cidade toda algumas vezes nesses 9 dias que passei por lá. A dona do apartamento nos disse que isso tem a ver com o tanto de turistas usando o ar condicionado ao mesmo tempo, as cidades não tem essa estrutura.

O problema da alta temporada foi conseguir um lugar na praia para sentar. Os quiosques tomam conta de todo o espaço disponível na areia e cobram valores absurdos dos turistas. Percebemos um tipo de golpe quando decidimos chegar na praia as 8h da manhã para conseguir um guarda-sol pois no dia anterior chegamos as 11h e só conseguimos cadeiras, sem guarda-sol, pelo preço de 16 euros para três pessoas (sim, eu sei, na Grécia eles chegam a cobrar 50 euros, então foi por isso que nós aceitamos pagar). Porém, no dia seguinte chegamos as 8h e estava vazio, haviam muitos lugares disponíveis, mas os quiosques se recusavam a alugar para nós, alegando que estava reservado, e que era necessário reservarmos com antecedência. Fomos perceber que eles esperam que fique cheio para poderem alugar por um preço mais alto. Nós tivemos que insistir para conseguir um lugar de manhã e no fim, pagamos 8 euros pelas cadeiras e o guarda-sol.

Minha dica é: faça amizade com o povo local.

Eles são muito abertos, adoram conversar e ajudar. E assim vocês podem pegar dicas e também conseguem sempre obter vantagens em meio a outros turistas.

Vida noturna em Ksamil

A cidade é muito badalada. Andando a noite é fácil ver vários bares e lounge com musica alta e gente dançando muito, ou fumando narguilé. Paramos em uma festa albanesa, com muita gente albanesa e musicas albanesas, e foi maravilhoso.

Infelizmente, por conta do Covid, a lei albanesa obriga todos os bares a pararem a musica as 23h. O que faz a vida noturna acabar esse horário, pois muita gente vai embora depois que a música acaba.

Andando pelo centrinho a procura de um bar, percebemos que as feirinhas de artesanato e souvenirs ficam abertas até meia noite. Por conta da movimentação de turistas, você pode observar muito da cultura local nesses lugares.

Himare

Essa cidade também é bonita, apesar de eu preferir Ksamil, as praias em Himare são muito mais calmas. Por ser um pouco menos turístico, não tivemos problemas com guarda-sol, golpes nos preços etc. Mas para quem procura um lugar mais badalado, talvez não curta muito a noite em Himare.

Achamos apenas um bar onde tinha musicas mais agitadas e um clima legal. Não achamos festas ou baladas. E tudo acabava também as 23h. Com apenas algumas poucas banquinhas vendendo souvenirs até tarde.

ONDE SE HOSPEDAR

Eu percebi que é bem mais comum alugar apartamento inteiro, como se fosse airbnb, pois não existe hotel suficiente para acolher tantos turistas ao mesmo tempo. Os apartamentos que achamos, fizemos sempre pelo Booking.com por achar mais seguro.

O preço foi bem razoável para o auge do verão europeu, considerando que o apartamento que alugamos cabia até 4 pessoas. Deu 16 euros para cada uma na diária. Isso é menos que um hostel em Paris.

Em Ksamil nós ficamos no: Unique Albânia CondoHotel.

O ponto forte desse apartamento foi a localização. Pertinho de mercados, restaurantes e da praia. Tem janela antirruído, o que é maravilhoso para um lugar abarrotado de turistas fazendo algazarra. Estava em perfeito estado, como se tudo fosse novo, cama, geladeira, fogão, etc. porém, muito pequeno para acomodar quatro pessoas confortavelmente. O chuveiro não tinha box, então molhava tudo a cada vez que alguém tomava banho, o que ficou bem nojento depois de uns dias. Eles se ofereceram para limpar diariamente, então isso acabou ajudando a nossa estádia. Faltou um pouco de atenção da parte deles quando chegamos, faltavam toalhas de banho e papel higiênico e tivemos que ir pedir.

Filikuri, HIMARE

Em Himare ficamos no: Janakis apartments.

O ponto forte desse foi o apartamento incrivelmente espaçoso, acomoda confortavelmente 6 pessoas. O que daria apenas 8 euros a diária para cada um.

Nós fomos em apenas três garotas, então teve espaço de sobra. A senhora dona do apartamento mora em um apartamento no térreo, e graças a ela tivemos a melhor estádia possível. Ela não fala muito bem inglês, mas nos ajudou em tudo, além disso nos dava frutas e legumes da horta dela quando via que estávamos cozinhando. Também ganhamos uma geleia caseira que ela fez.

Um ponto muito negativo foi a localização desse apartamento. Impossível acessar sem carro, ainda mais com o calor que faz. E no alto de um morro. Não fica muito longe da praia, da exatamente 10 minutos andando. Porém, é totalmente deserto, numa estradinha de terra e não tem luz a noite.

Então se você conta em sair para curtir a vida noturna e beber, não tem como voltar andando. Se descer de carro é horrível para achar um lugar para estacionar.

Aluguel de carro na Albânia

Chegamos pelo aeroporto de Tirana e alugamos o carro direto no aeroporto.

Nós queríamos alugar em Tirana e devolver perto do litoral, mas em nenhum site nós conseguimos essa possibilidade, o que fez com o que nosso aluguel saísse caro, já que só iriamos retornar para tirana no último dia de viagem.

A gente pesquisou muito as opções da internet e até uns dois meses antes da viagem o preço de aluguel de carro estava excelente. Deveríamos ter feito isso com antecedência. Por conta da covid e do medo de nossa viagem ser cancelada, deixamos para fazer muito em cima da hora, quando os carros bons já estavam alugados em sua maioria.

As opções pela internet ainda eram boas, mas incluíam um depósito caução no cartão de crédito de cerca de 800 euros. Os sites de companhia de aluguel de carro ainda diziam que isso só seria “cobrado” na retirada do carro, mas em letras miúdas diziam que caso não fosse possível a cobrança do depósito caução no cartão de crédito do motorista, o dinheiro pago da reserva do carro não seria devolvido.

Dependíamos então da cotação do euro do dia, já que usaríamos o nosso cartão de crédito do Brasil (pois não temos um cartão de crédito europeu). Por esse motivo, ficamos com medo de chegar no dia e esse depósito altíssimo não conseguir ser debitado.

Além disso, obviamente eles querem reter um valor tão alto do cartão para caso você cometa alguma infração que estrague o carro de alguma forma, assim na devolução do carro eles simplesmente não devolvem o depósito caução.

Decidimos então esperar para chegar no aeroporto. Logo na saída existem muitas locadoras de veículos e você pode conversar e colher informações. É claro que, se você for turista, eles te cobram muito mais caro só por isso.

A maioria das companhias famosas como Europcar, já estavam com todos os veículos alugados.

Conseguimos a nossa reserva com uma locadora que chama ARA.

O aluguel não foi barato, pagamos por um punto 1.0 o valor de 55 euros por dia. Porém, a empresa não pedia depósito caução, se a gente pagasse uma taxa de 90 euros de seguro.

No contrato ainda dizia que se a gente batesse o carro, nada seria cobrado da gente. Achamos que era bom demais para ser verdade, pesquisamos para ver se a empresa realmente era honesta, mas decidimos fechar antes que perdêssemos essa oportunidade.

Assinamos o contrato e efetuamos o pagamento, sem depósito caução. Quando recebemos o carro, estava caindo aos pedaços. Um punto realmente destruído. O porta malas não havia nada, nem ferramentas, nem step, nem o tapete que “cobre” os buracos. Além disso os pneus estavam completamente carecas.

Tentamos negociar com os homens, mas já havíamos assinado o contrato e eles se recusaram a trocar por um carro descente.

Ao longo da viagem nós fomos vendo outros defeitos no carro: a rádio não funcionava, a luz de freio também não. O ar condicionado só funcionava na versão glacial (o que obviamente deixava o carro muito fraco para subir as ladeiras da Albânia), e não havia um quebra-sol para o motorista.

Tivemos medo de rodar 500km com esse carro todo ferrado, medo de rolar um problema ou pneu furado e ficarmos na mão. Além de tudo isso, as pessoas dirigem muito mal na Albânia.

Fiz um vlog no youtube onde mostro algumas coisas que conseguimos gravar. Não conseguíamos passar 10 minutos sem ver alguém fazendo algo ilegal e perigoso. Vimos alguns acidentes na estrada, além de ter sempre vacas e burros circulando livremente nas estradas.

Foi por Deus que nós conseguimos chegar inteiras no ultimo dia.

Enfim, EU NÃO RECOMENDO essa locadora!

E peçam sempre para ver o carro antes de assinarem o contrato!

ROTEIRO NA ALBANIA

Nós fizemos 1 noite em Tirana, 3 noites em Ksamil, 3 noites em Himare e mais 1 noite em Tirana, na volta.

Decidimos fazer nessa ordem, pois assim, logo no segundo dia na Albânia nós rodamos cerca de 5 horas (de Tirana à Ksamil), sabíamos que seria o mais cansativo. Aproveitamos muito em Ksamil (não foi necessário usar o carro lá, pois a cidade é minúscula, então ele só ficou na garagem do hotel), e aí voltamos de Ksamil para Himare, por 2 horas.

Aproveitamos Himare, usamos um pouco mais o carro (nós precisávamos mais pra sair à noite pois a localização do nosso apartamento era muito escondida). E também tem praias lindas ao redor, onde é mais acessível de carro. E depois partimos de Himare de volta para Tirana por 3 horas.

O QUE FAZER EM KSAMIL

As praias são magnificas. Esse foi o meu lugar preferido da Albânia. Com certeza eu teria ficado mais tempo, apesar de ser uma cidade bem pequena, as praias dão vontade de aproveitar muito mais. E a vida noturna é muito movimentada.

No primeiro dia nós ficamos por ali nas praias perto de Bora Bora Beach. (a mais linda e mais cheia). Almoçamos uma pizza no quiosque da praia (um quiosque que chama AFRICAN, os garçons e o dono são muito simpáticos). Tomamos cerveja, conhecemos o centrinho a noite e fomos parar em uma festa albanesa em um bar que chama BIANCO. (que também é um hotel e restaurante nos tempos livres).

Filikuri, HIMARE

No segundo dia, decidimos alugar um pedalinho. Foi a melhor coisa que fizemos.

O aluguel foi 8 euros por hora. Nós iriamos ficar apenas uma hora, mas no final ficamos três.

O pedalinho tinha um telhadinho, o que ajudava a não morrer de calor.

Além disso, foi possível atravessar até o outro lado, para chegar numa pequena ilha mais tranquila com muito menos turistas. Também paramos em alto mar para mergulhar, e depois achamos um bar no meio de uma outra ilha onde podíamos “estacionar” o pedalinho para beber uma cerveja.

Ksamil

Foi incrível!

No terceiro dia nós iriamos visitar o The blue Eye, uma reserva natural não muito longe de Ksamil (mas necessita ir de carro), porém pesquisamos bastante sobre a estrada e diziam que não era recomendado se tivesse um carro rebaixado. (Não era o novo caso, mas o nosso para-choque estava meio quebrado, quase no chão). Então ficamos com medo de o carro não aguentar, e acabamos não indo.

Mas te indico dar um google e ver como é um paraíso também!

No final das contas só ficamos por ali nas praias mesmo, comemos em um restaurante maravilhoso (francamente, foi o melhor da cidade, mas cá entre nós, não gostamos da maioria dos restaurantes que fomos, faltava tempero na comida, teve inclusive um que achamos que tinham servido comida congelada só requentada, então ficamos muito felizes de encontrar um bom restaurante em Ksamil, anotem a dica), o restaurante chama Veranda Apollonia Ksamil. (Você pode assistir os destaques da Albânia lá no meu instagram).

Fomos comer lá duas vezes, experimentando pratos diferentes. Os garçons eram maravilhosos, o tempero da comida era ótimo, e o preço é bem ok comparado aos outros restaurantes da cidade. No segundo dia eles fizeram uma dança albanesa. Foi uma delícia.

O que fazer em HIMARE

No primeiro dia ficamos pela orla da praia, é muito calmo e bonito. Passeamos pelas lojinhas e almoçamos em um restaurante grego maravilhoso. Aproveitamos para comprar algumas coisas para cozinhar no apartamento, pois já estávamos com saudade da comida bem feita brasileira.

Dica: na Albânia não se pode consumir água da torneira, então a gente sempre comprava água de garrafa de 6 litros pra esfriar tudo de uma vez na geladeira.

No segundo dia, alugamos um taxi boat para atravessar para uma praia que chama FILIKURI.

Filikuri, HIMARE

Eu indico a agencia, eles foram ótimos com a gente. Negociamos tudo pelo WhatsApp e só chegamos lá no dia e horário combinados.

HIMARE

O capitão do barco não falava muito inglês, mas conseguimos resolver tudo com a mulher que gerenciava, e ela inclusive nos emprestou um guarda-sol para levar para Filikuri (é uma praia deserta, e maravilhosa). Passamos o dia por lá, levamos um piquenique, a água era maravilhosa para nadar, conseguimos nadar e fazer excelente vídeos com a go pro (veja no vlog de Himare). Combinamos qual horário e eles poderiam nos buscar e tudo correu bem. Pagamos 8 euros ida e volta cada uma.

No terceiro dia fomos para uma praia que chama BORSH, de carro deu uns 25 minutos. Passamos em frente a Llamani Beach e achamos magnifica também. Então fica a dica de duas praias maravilhosas perto de Himare para ir de carro.

Em borsh beach tem esse tipo de bangalô e o aluguel é 4 euros para o dia todo.

BORSH, Himare

Tem vários restaurantes ao redor, mas não provamos nenhum, decidimos ir comer em Himare no restaurante grego.

A noite pudemos aproveitar o bar mais animado de Himare> Bocca Lounge.

Musicas boas e o drinks eram bem feitos.

Outras dicas sobre a Albânia:

É obrigatório fazer um seguro viagem para viajar pela Albânia (que não faz parte da União Europeia e nem do Espaço shengen, então é um seguro diferente daquele usado na europa). O mais barato que achei foi pelo site do Allianz Travel 

O chip de telefone usado na europa geralmente não funciona na Albânia. Eu tenho um chip francês e ficaria carissímo para usar lá. Então chegando no aeroporto comprei um chip da VODAFONE e paguei 13 euros para 15 gb de internet. É rápido e eles instalam para você na hora.

Em época de COVID: Fui em agosto 2021 e a Albânia não estava pedindo certificado de vacina, nem teste PCR. A taxa de vacinação deles está bem elevada, então nem máscaras eles usam mais. Creio que isso irá mudar depois do verão europeu. Para sair da Albânia precisavamos passar por um país que pedia teste PCR (mesmo que a gente tivesse vacinada). Os testes podem ser feitos diretamente no aeroporto e custam 30 euros. Mas tem uma fila de espera de 3h para fazer, e pode pegar o resultado em 90 minutos.

A MOEDA da Albânia: Eles não usam o euro, a moeda deles chama LEKE. Tem agencias que podem fazer esse câmbio para você no próprio aeroporto, mas eu preferi levar meu cartão e fazer o saque diretamente lá (eu uso o N26). Eles cobravam cerca de 3 euros por saque, então a cada vez que íamos tirar dinheiro, a gente enviava umas para as outras e apenas uma de nós sacava todo o dinheiro. É NECESSÁRIO TER DINHEIRO EM ESPECIE. Nas cidades litoraneas é muito dificil pagar em cartão. Mas o euro pode ser aceito em muitos lugares também.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s